Quem sou eu

Minha foto

Graduada em Processamento de Dados
Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Negócios

domingo, 6 de dezembro de 2015

Minha mensagem aos deputados





Este é o e-mail que enviei aos deputados da base aliada sobre o posicionamento deles na votação do Impeachment:

Mensagem para os deputados enviada por mim, 06/12/2015:
Espero que neste momento, o senhor pense no Brasil e nos milhões de desempregados, nas contas públicas e na incapacidade que este governo tem demonstrado, no decorrer deste ano, de enfrentar e indicar um caminho que vá além do ajuste fiscal, que sequer conseguiu aprovar. O senhor, que está em Brasília, sabe melhor do que ninguém que o primeiro semestre do próximo ano será pior do que tudo o que enfrentamos no decorrer deste ano. O senhor sabe que os brasileiros mais pobres lutam, mês a mês, contra uma inflação de dois dígitos que afeta principalmente o setor de alimentos. O senhor sabe que toda esta crise poderia ter sido evitada se no decorrer do primeiro mandato de Dilma, fossem feitos ajustes graduais nos preços e na política econômica.O senhor sabe que a corrupção retirou dos brasileiros aquilo que de direito pertencia ao povo e beneficiou poucos. O senhor sabe que os desvios só ocorreram em virtude da política estabelecida pelo Governo Lula e Dilma, que lotearam todos os setores do governo em troca de apoio político para implantar um projeto fracassado e ultrapassado de poder, que não responde aos desafios econômicos e sociais que a realidade mundial impõe.
O seu voto no processo de Impeachment definirá seu lugar na história e será a herança que deixará para seus filhos. O senhor poderá ser reconhecido como um homem de coragem, honesto e comprometido com o povo brasileiro ou como um inquilino do poder, que pensando a curtíssimo prazo e no benefício que poderia gozar, trocou o bem estar de milhões por um cargo ou vantagem, que pelo interesse em ofertar e o prazer em receber já o torna indigno, como outrora ocorreu om um outro personagem histórico aceitou 30 moedas de prata para realizar determinada tarefa. Termino aqui com uma citação extraída de uma carta aberta de Euclides da Cunha, que dedicou um amor profundo à República: "É necessário que tenhamos postura forte! Há no sentimento que ambos tributamos à República, uma diferença enorme: S.Exa tem por ela um amor tempestuoso, cheio de delírios de amante, eu tenho por ela os cuidados e afeição serena de um filho."
E-mail para os deputados:
dep.eduardodafonte@camara.leg.br,
dep.marceloaro@camara.leg.br,
dep.givaldocarimbao@camara.leg.br,
dep.sarneyfilho@camara.leg.br,
dep.andersonferreira@camara.leg.br,
dep.kaiomanicoba@camara.leg.br,
dep.hugomotta@camara.leg.br,
dep.edinhoaraujo@camara.leg.br
dep.leonardopicciani@camara.leg.br,
dep.esperidiaoamin@camara.leg.br,
dep.celsorussomanno@camara.leg.br,
dep.silviocosta@camara.leg.br,
dep.domingosneto@camara.leg.br
É uma de minhas conttribuições em busca de um brasil melhor.

Boa semana a todos!

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

O brasileiro é antes de tudo um ser apático


Depois de dez meses, um pedido de Impeachment foi aceito e cerca de trinta foram rejeitados. É preciso lembrar que a aceitação do pedido só foi possível graças a uma manobra do PT, capitaneada por Lula, que retirou os votos de três deputados petistas que votariam contra o avanço das investigações contra Cunha.

O bem estar do brasileiro, preocupações com a mais grave crise econômica que o Brasil enfrentou depois do Plano Real, 10 milhões de pessoas desempregadas, corte nos benefícios previdenciários , endividamento e desvalorizações que empresas brasileiras sofreram ao longo deste ano não foram levadas em conta e muito menos a triste constatação que temos um governo fraco e incapaz de lidar com este cenário. Aliás, quem governa?O fator decisivo foi o sentimento de vingança de Cunha, que se sentiu enganado em um dos acordões que rolam em Brasília. Ontem, quando Dilma fez seu pronunciamento, já iniciou sua defesa com mentiras. As da campanha eleitoral nos trouxeram até aqui, o que mais falta acontecer?

Para o PT e os partidos da base que apoiam o governo, quanto mais rápido ocorrer o processo melhor. Para que o pedido seja arquivado ainda na Câmara dos Deputados é preciso que 171 deputados votem contra. No discurso de ontem Dilma comentou que teve 341 votos na aprovação da PLN 5/2015, ou seja, que as chances do processo avançar são mínimas. Agora, as barganhas serão maiores ainda e serão escancaradas.

Estamos em uma recessão que já tem contornos de depressão. Quem garante que você estará empregado no próximo ano? Com uma inflação de 10%, quem garante que você manterá o mesmo padrão de vida? Para quem já cortou tudo o que podia, o que virá agora? Se você fica tranquilo em saber que tem gente indo às ruas protestar enquanto você está em casa "curtindo" alguns posts, saiba que esta é a última chance de abreviar o sofrimento que vem se delineando no horizonte. 

Político gosta de propaganda boa e palanque e a hora é de encurralar estes caras, principalmente os eleitos pelo PMDB, PDT, PP e PTB. É hora de encher a caixa postal deles com cobranças, de telefonar para os gabinetes (a ligação é gratuita e o telefone é 0800-619 619) de fazer valer seu voto. A hora é de barulho. Ninguém vai querer se queimar com as eleições de 2016 chegando. Quer mudanças? Saia de sua zona de conforto e participe.

Deixe a preguiça, o conformismo e a má vontade de lado e faça algo pelo seu país e por você mesmo. Brasileiro gosta de dizer que não desiste nunca, de assistir comercial com jogador de futebol que superou dificuldades mas não gosta de se mexer. Gente que não tem índole para lutar não tem têmpera para enfrentar necessidade. Vem para a rua, porque eles medem uma manifestação pelo número de participantes. O parâmetro para eles foi a de 15/03, as de agora tem que ser maiores. Ou você se levanta e luta ou passará quatro anos de joelhos. A escolha é sua.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Dar a mão para não perder o braço


Não foi uma surpresa para o Governo, para a Oposição, para os jornalistas ou para quem acompanha o mundo das notícias políticas. Quando os  três deputados  petistas que compõe a mesa do Conselho de Ética decidiram votar pelo avanço das investigações sobre Eduardo Cunha, já era fato praticamente consumado que ele iria aceitar o pedido de Impeachment formulado pelos juristas Hélio Bicudo e Miguel Reale. Não há grandeza no gesto de Cunha, há sim vingança de um homem que viveu sua vida no mundo político e fez seu patrimônio pessoal crescer muito através dos subterrâneos das nomeações, dos cargos de confiança, dos apadrinhamentos e que teve certeza absoluta que ficaria impune.

O PT deu a mão para salvar o braço. De olho nas eleições de 2016, chegaram a conclusão que apoiar Eduardo Cunha neste momento equivale ao suicídio político no pleito do ano que vem. As "bases" que foram ouvidas foram a sobrevivência política e o "fator Lula" em 2018. Para quem está apostando em um Natal sem Dilma, más notícias: o Natal e Ano Novo serão com ela


O rito será longo, passará pela Câmara dos Deputados e se aprovado, será realizado o julgamento no Senado, com a presença do Presidente do STF que é o Lewandovski. Provavelmente, terá início somente em 2016 e Dilma irá se defender com muito empenho, já que para ela e para os membros do governo, "não há base legal para o pedido". O processo será longo, traumático e turbulento, pois os apoiadores do PT ( CUT, MTST, MST) vão querer radicalizar. Se houvesse grandeza em Dilma ou de bom senso, ela não faria o pronunciamento de hoje, renunciaria pelo bem do país.

Para o PT, este governo na prática já está morto. Quem ocupa os ministérios e os cargos de segundo e terceiro escalão é o PMDB. O PT padece de um mal que corrói alguns setores da  sociedade brasileira, que é o excesso de debate e a ausência de ação. Este governo é uma vergonha, é a coroação da incompetência e da falta de qualquer limite ético. Fosse em qualquer outro lugar do mundo, o próprio partido já teria aconselhado Dilma a renunciar.

Estamos entrando em depressão econômica com previsão de recuperação somente em 2018. Após a votação no PL 5/2015, que foi aprovado hoje pelo Congresso, que aceita o rombo de R$ 119 bilhões no Orçamento ao invés de superávit, com certeza haverá queda nas notas dadas pelas agências internacionais. Se não souberam governar com ventos positivos na economia, que dirá em depressão. Falta confiança e credibilidade, ninguém acredita na presidente da República.

Há um ano atrás, eu disse que estávamos mergulhando em um dos períodos mais sombrios da História do Brasil. Posso dizer que em 2015, colocamos apenas os pés dentro da água turva. O PMDB será o fiel da balança e terá que decidir  se quer governar ou quer ocupar. Para eles também é uma questão de sobrevivência. Decidindo governar, com certeza haverá um expurguinho aqui e outro ali. Ainda ouviremos falar da Família Picciani...

No próximo ano, as coisas vão piorar e muito. Há que sermos forte e saber o que fazemos e para onde vamos para passar por esta imensa tempestade de areia que está pela frente. Para quem ainda não colocou os pés no chão, chegou a hora. Vem ai um período de depuração.