Quem sou eu

Minha foto

Graduada em Processamento de Dados
Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Negócios

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Procedimentos, próteses e consultas

Onde alguns vêem uma adversidade, outros enxergam uma oportunidade. Você certamente já aplicou esta máxima em sua vida em várias oportunidades; em outras, o seu freio é sua consciência, sua ética profissional ou a lei. Nem todos pensam assim e a matéria exibida ontem no programa “Fantástico” sobre as comissões pagas aos profissionais de saúde para colocação de órteses e próteses mostrou que para alguns profissionais de saúde não há limites. Além dos prejuízos financeiros há que se levar em conta a real necessidade de muitos procedimentos e as implicações na qualidade de vida dos pacientes. Como podemos nos proteger, se o procedimento é recomendado por um médico e o que está em jogo é nossa saúde e é difícil argumentar sobre algo que desconhecemos? Deixo aqui algumas sugestões para quem se encontra nesta situação:

1. Primeiramente, procure sempre uma segunda ou mesmo terceira opinião. Os convênios e seguros de saúde garantem o pagamento deste tipo de consulta, mesmo que ela ocorra em intervalo inferior a 30 dias. Leve todos os exames analisados pelo médico que solicitou o procedimento. Se forem exames que são feitos anualmente, vale a pena levar o anterior também para que o médico possa avaliar se houve progressão no período.

2. Procure por profissionais conhecidos pela excelência em seu trabalho. Se você não conhecer, peça indicação de amigos e familiares.Vale a pena ouvir a opinião e indicação de um profissional dvinda do médico que tem atendido  você ou sua família 

3. Deixe claro que é uma consulta de segunda opinião. Faça todas as perguntas necessárias para que você entenda seu problema de saúde e saiba exatamente porque este procedimento esta sendo indicado para você e se há alternativas de tratamento. Faça inclusive uma lista se você tiver dificuldade em memorizar tudo. Não tenha vergonha, porque os deveres de um médico estão o esclarecimento e as orientações.

4. Procure ler bastante sobre o assunto. A Internet tem sites sobre quase todos os assuntos médicos, entretanto é preciso procurar sites confiáveis. Lembre-se que você não pode basear sua decisão apenas nas pesquisas feitas on-line. Elas servem para esclarecer dúvidas e fornecer maiores informações.

5. Cada especialidade médica (ortopedia,neurologia, etc) tem a relação das Diretrizes e Consensos da especialidade. São quase “regras” que determinam quando determinado procedimento deva ser solicitado, com as indicações e contra-indicações para cada caso. Elas são atualizadas anualmente e a cada ano há a publicação de várias diretrizes para realização ou não de procedimentos. As operadoras de planos de saúde estão autorizadas a utilizar estas diretrizes como base para negar ou cobrir eventos. Não é uma leitura fácil, mas também não é impossível.

6. Se o procedimento for realmente necessário, procure saber os detalhes do preparatório e pós-operatório, inclusive o tempo de repouso e duração das restrições, para que você possa planejar e ter tudo o que precisa a mão. Seguir corretamente as recomendações no período  pós-operatório aumentam as chances de sucesso do procedimento.

7. Não tenha vergonha de pedir ajuda. Se você sentir que terá dificuldades indo sozinho(a), leve um amigo ou familiar com você.

8. Procedimentos não ou minimamente invasivos têm indicações e contra-indicações como todos. Antes de optar de cara por um procedimento com esta abordagem procure saber dos riscos, da eficácia e da recuperação.

Pergunte, pergunte e pergunte. É sua saúde e bem estar que estarão em jogo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário: