Quem sou eu

Minha foto

Graduada em Processamento de Dados
Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Negócios

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

E a conta em Cayman?

Há pouco mais de um ano, o Brasil estava às voltas com o negócio escuso da ocasião, que era o  generoso emprego oferecido pelo Hotel Saint Peter a José Dirceu. Para exercer as funções de gerente, ele receberia como salário a bagatela de R$ 20 mil. A imprensa caiu em cima e descobriu-se que o hotel pertencia à Truston Internacional, cuja sede fica no Panamá e cujo sócio majoritário era um “laranja”.  Ao checar a documentação da Truston, descobriu-se que o mesmo endereço abrigava a Truston e uma filial da JD Assessoria e Consultoria, empresa que pertence a José Dirceu. Indo atété o local, descobriram que lá funciona um escritório de advocacia, o  Morgan & Morgan, que oferece “laranjas” para abertura deste tipo de negócio,  cuja finalidade maior é a pulverização de recursos financeiros para dificultar o rastreamento. Nenhuma investigação foi feita para se saber se há contas da JD no Panamá, o que é mais do que provável.

Na mesma época, o ex-delegado Romeu Tuma Junior lançava o livro “Assassinato de reputações - um crime de Estado”, onde afirmava que tinha localizado uma das contas do Mensalão, em nome de José Dirceu, nas Ilhas Cayman. Como prova há uma carta em que o Governo das Ilhas confirma a existência da conta e indaga de que forma deve ser feita a cooperação com o Brasil, já que o pedido de esclarecimento foi feito pelo então Ministro da Justiça Tarso Genro. Até hoje não foi feita nenhuma investigação sobre a conta, o saldo e a origem dos recursos que a abasteceram.

Sabe-se que José Dirceu amealhou uma fortuna com suas consultorias, que se traduziram em contratos vantajosos entre as empresas que o contrataram e o Governo Federal. Na Operação Lava-Jato foi encontrado um contrato entre a Camargo Corrêa, em que o ex-ministro recebeu R$ 886 mil reais pelos serviços prestados. Um dos clientes de José Dirceu foi a Construtora Delta, que foi a empresa que mais fechou contratos com o Governo Federal em 2010 e pagou a José Dirceu R$ 20 mil em honorários. A Delta inclusive foi a primeira empresa que assumiu a construção do Complexo  Petroquímico  Comperj, contratada pela Petrobrás...

Todos estes fatos ocorreram depois que José Dirceu deixou a Casa Civil e teve seu mandato cassado. Não acuso José Dirceu de nenhum ato escuso e não estou imputando nenhuma conduta criminosa a ele, que isto fique bem claro. Os fatos que narro aqui são de conhecimento público, noticiados por grandes jornais e telejornais.  Mas é impossível não me perguntar se já não passou da hora de investigar seriamente a JD Assessoria e seus clientes, comparando o antes e o depois. Se há uma lei que regula as licitações e a contratação de serviços por empresas públicas, autarquias e pelo governo em todas suas esferas e cujo principal objetivo é obter os melhores serviços pelos melhores preços, em tese oferecendo a mesma condição a todos,  como é feita esta assessoria? Onde está a razão de seu sucesso? Se não há nada o que esconder, o que temer? É lobby? Se há tráfico de influência e desvios, quantas Operações Lava-Jato serão necessárias para coibir ações como estas que ocorrem em plena luz do dia? São denúncias e indícios que se arrastam desde 2010, há quatro anos portanto e nunca esta empresa foi investigada.


Sabemos  agora que o mesmo esquema que funcionou com sucesso dentro da Petrobrás se alastrou pelos ministérios e pelos projetos governamentais como “Minha casa, minha vida”. É preciso ter coragem para investigar a fundo este tipo de ação e quem sabe descobrir outros focos. A corrupção de fato é grande no Brasil e ela se fortaleceu, devorando bilhões em grande parte pela inércia das autoridades responsáveis em olhar com seriedade os indícios que aparecem em rede nacional, tomando  as medidas necessárias. É preciso que algo positivo emirja deste mar de lama, pelo menos um pouco de controle. Não podemos contar com a Polícia Federal para administrar todos os desvios que possam ocorrer dentro de uma empresa pública, mas é preciso que este tipo de denúncia, que aparece ocasionalmente nas páginas dos jornais e nos noticiários seja investigado a fundo e deixe de ser apenas palavras e nada mais. A verdade é clara mas também é preciso querer vê-la. Depois de vista, é impossível ignorá-la.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário: