Quem sou eu

Minha foto

Graduada em Processamento de Dados
Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Negócios

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

A entrevista

O filme pode até não ser grande coisa, mas acho que desde o lançamento de “Os versos satânicos” de Salman Rushdie não se via tanto barulho por uma obra de ficção.  O filme The Interview- A Entrevista , estrelado por James Franco e Seth Rogers que também assina o roteiro, chegará aos cinemas brasileiros dia 29 de Janeiro de 2015 e será lançado nos EUA no Natal,  sob ameaças de Kim-Jong-Un , o Comandante Supremo do regime comunista da Coréia do Norte,  de que algo terrível poderá acontecer aos EUA se o governo americano não impedir o lançamento do filme.

O enredo do filme é simples. O apresentador e o produtor de um programa americano descobrem que o líder norte-coreano é fã do show e decidem ir à Coréia para entrevistá-lo. A CIA porém tem outros planos para a dupla, já que pretendem usar a proximidade dos dois com Kim-Jong-Un para assassiná-lo. No filme, o líder coreano é retratado como um jovem, que detém um imenso poder e responsabilidade, que inspira temor em seus inimigos e em seu povo, mas que é imaturo e que também gostaria de continuar fazendo o que todos jovens fazem, como ouvir música, assistir filmes, enfim, aproveitar a vida.

O problema é que Kim-Jong-Un não gostou nada da idéia e utilizou seus métodos para mandar um recado à Sony, que é a produtora do filme. Hackers norte-coreanos invadiram o sistema do estúdio e roubaram uma imensa quantidade de informações. Os vazamentos, que já começaram, expõem algumas opiniões muito francas de produtores e diretores sobre atores e filmes. Assim, um produtor chamou Angelina Jolie de atriz mediana e mulher mimada; os filmes de Adam Sandler foram chamados de previsíveis e outras informações ainda serão “vazadas” na Internet. O governo norte-coreano desmente que a ação foi praticada por hackers do país, mas diz que provavelmente os autores são “simpatizantes” do regime.

Na semana passada, Sacha Baron Cohen parabenizou a dupla pela campanha de marketing, algo que ele não conseguiu com seu filme “O Ditador”. Não sei se assistirei o filme, mas acho que ele poderia passar desapercebido se não fosse o barulho feito por Kim-Jong-Un, que acabou se transformando em piada por levar tudo a sério demais. Talvez a vingança perfeita seria exigir uma boa participação na bilheteria.

Um comentário:

  1. A exibição do filme que estava marcada para dia 17/12 em New York foi cancelada, depois que alguns cinemas receberam ameaças de ataques terroristas. Ontem (18/12) a Sony cancelou o lançamento do filme.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário: