Quem sou eu

Minha foto

Graduada em Processamento de Dados
Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Negócios

sábado, 25 de outubro de 2014

Verás que um filho teu não foge a luta


E de fato não fugiu e já assegurou seu lugar na história ao enfrentar uma campanha política repleta de mentiras, com coragem e determinação e tendo em vista o objetivo maior do processo. Por ter conquistado pouco a pouco os eleitores e ter se comovido coma realidade e a confiança que as pessoas depositaram sobre seus ombros. Por ter enfrentado uma maratona de debates determinado a mostrar suas propostas e por provar mais uma vez ao Brasil que é o melhor candidato a Presidente. Do início ao fim, abrindo com a pergunta que todos querem fazer sobre a matéria publicada na Revista Veja em que o doleiro Alberto Yousseff afirma que Dilma tinha conhecimento sobre os desvios na Petrobrás e encerrando lembrando as palavras de São Paulo, Aécio demonstrou brio, coragem e nervos de aço, diferente de sua oponente, com sua fala confusa e aparente descontrole emocional,  que deixou perguntas sem respostas. Destaco aqui a pergunta sobre o Porto de Cuba e o empréstimo nebuloso, com garantia aceita em peso cubano e prazo de pagamento de 25 anos. Para quem não sabe, 1CUP ( Peso Cubano) vale R$ 2,4712.

Durante o debate Dilma ouviu que não conhecia o funcionamento do Congresso Nacional, que a crise hídrica em São Paulo é resultado da pior seca em décadas e  que o impacto poderia ser menor se houvesse ajuda do Governo Federal através da ANA – Agência Nacional de Águas. Neste ponto, Aécio disse que o apoio provavelmente não veio porque a agência está cheia de companheiros, uma vez que um de seus diretores foi indicado por Rosemary Noronha e agora está preso. Citou dados dos 39 ministérios, lembrou que Dilma não aparece no Palácio do Planalto há trinta dias e perguntou quem está governando o Brasil. E em resposta a uma pergunta de uma eleitora indecisa sobre corrupção declarou que uma das maneiras de livrar o Brasil desta prática é tirando o PT do poder.

Mais uma vez, Dilma fundamenta seus argumentos em fatos ocorridos há 12 anos atrás, em tempos diferentes de um governo que enfrentou 07 crises econômicas. Ao citar os casos dos escândalos ocorridos nos governos tucanos, Aécio respondeu o óbvio: Durante 12 anos ela esteve sentada na mesa e tinha acesso à gaveta, deveria ter mandado investigar se achava que as investigações na época não eram suficientes. Ela respondeu que o Ministério Público arquivou os casos, mas esqueceu-se que o Ministro da Justiça poderia ter pedido a reabertura das investigações e que se  houvesse surgido novos indícios que confirmassem as suspeitas, caberia ao MP decidir pela reabertura dos casos. Se não o fez é porque nada havia de concreto para dar andamento aos casos e que cesse aqui o uso eleitoreiro destes processos de uma vez por todas. O passado que interessa ao Brasil discutir é o que abrange os doze últimos anos, principalmente os quatro finais.

Justíssima a afirmação de Aécio de que aquele que se preocupa com o passado não enxerga o presente e não tem futuro. Aos eleitores indecisos, é impossível que se leve em conta estes argumentos, uma vez que a época e os recursos eram diferentes. Ainda não tínhamos passado pelo crescimento das exportações que durou até 2011 e não se tinha dinheiro em caixa para estes projetos. Se há dúvida, que prevaleça a resposta clara e direta, propostas e não a discussão vazia do passado, que é imutável;  mas que tenhamos em mente que o presente pode ser mudado e o futuro é construído a partir de nossas decisões atuais.

Faço minhas a palavras finais de Aécio. No domingo, votarei em Aécio com a consciência tranqüila em estar fazendo a melhor escolha pelo meu país e pelo futuro de meus filhos e também travei o bom combate, falei a verdade e mantenho a fé em um futuro melhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário: