Quem sou eu

Minha foto

Graduada em Processamento de Dados
Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Negócios

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Cultivando a miséria


Querer nem sempre é poder, mesmo porque por mais que você queira alguém ou alguma coisa, às vezes isto ou a pessoa não é a melhor para você. Temos que ser honestos quanto ao nosso potencial, mas também temos que reconhecer nossas limitações. Em tempos de auto-promoção,  marketing pessoal e selfies,  pode até parecer um fracasso pessoal aceitar alguns limites, mas muitas vezes é um gesto de grandeza. Através deste processo, você pode racionalmente trabalhar para superá-las, se esforçar 150% para mudar, mas mesmo assim, às vezes não será suficiente. E quando porventura você não conseguir superar algum obstáculo, você saberá melhor do que ninguém que você fez o seu melhor.

Acredito que Marina não tem o que é necessário para ser presidente e quero estar errada sobre isto,  embora eu olhe alguns de meus textos de cinco meses atrás e sinto em alguns um tom profético. Não acredito em seu discurso,não acredito em sua equipe e acho que você consegue sair do PT, mas dificilmente tira o PT de dentro de você. Ela tem essa divisão dentro de si e isto fica nítido em alguns pronunciamentos que ela faz. Hoje o pessoal do agronegócio deve estar pensando a mesma coisa, como outros setores da sociedade, no decorrer das últimas semanas também devem estar. Temos duas candidatas do PT disputando a eleição!

Outro dia a imprensa internacional comparou Marina a Obama. Para quem não sabe, ele vive às turras com o Congresso americano, que vota quase que sistematicamente contra seus projetos. As fixações do teto da dívida americana extrapolaram o prazo previsto e Washington, órgãos e agências federais ficaram paralisados. Mesmo após o Massacre de Sandy Hook, onde várias crianças morreram, ele não conseguiu aprovar um projeto que aumentasse o controle e a venda de armas nos EUA. Além disso, ele não é uma unanimidade entre os americanos. Venceu a reeleição graças aos republicanos, que mais uma vez escolheram um candidato muito ruim. Em minha opinião, ele é um bom homem, porém deixará um legado de pequenas conquistas e maiores fracassos. A economia americana dá sinais de crescimento, mas até que ponto as medidas tomadas para este incremento são próprias de Obama? Olhando por este prisma, a comparação faz sentido. Infelizes são os que não aprendem com os erros alheios! E não acredito que ela tenha o que é preciso para negociar projetos e defender nossas instituições e empresas dos interesses de poucos.

Com relação a Dilma, a cada semana, seu partido protagoniza um novo escândalo. Lembre-se: “Diga-me com quem tu andas e te direi quem tu és”. A última agora foi o desvio de 20 milhões de reais do Instituto Brasil para financiamento de campanha ao Governo da Bahia. Os recursos eram destinados a programas sociais. Faz sentido, porque cultivando a pobreza e a dependência, você tem um exército de miseráveis como massa de manobra política. Miséria ou a possibilidade dela traz votos.  É possível fazer de seu adversário político  um monstro que gosta de ver gente passando miséria e que detesta os pobres. Que gosta de acabar com empregos. Como se a política praticada por 12 anos de Governo do PT não tivesse diminuído os leitos em hospitais públicos. Mas temos médicos cubanos! E o exame, remédio, cirurgia, tratamento? E os milhões que foram desviados para financiamento de campanha? E os contratos superfaturados, onde parafuso sai por R$ 10,00 e usa-se milhões deles? Porque ninguém dá 3% de um contrato de milhões ou bilhões a troco de nada. Nesse esquema paga-se por duas obras e recebe-se metade. A outra parte? Aditivo de contrato!

E mesmo assim, são as candidaturas que estão em alta, segundo as “pesquisas”. Impossível não saber sobre os escândalos, sobre os desvios. Quem em sã consciência é a favor de coisas como estas? A resposta é simples: Cada um dos eleitores que junto formam um contingente de 38% da população, segundo as “pesquisas”. E temos os que não sabem para onde vão, que são os 29%     que formam o eleitorado de Marina, que diz hoje uma coisa, amanhã outra. Para quem não sabe o que quer e para onde vai, qualquer caminho serve. E aparentemente, temos 19% da população que sabe onde estamos e para onde vamos. A cada dia que passa sinto alívio em pertencer a esta minoria. Querer nem sempre é poder, mas para querer é preciso antes de mais nada saber o que se quer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário: