Quem sou eu

Minha foto

Graduada em Processamento de Dados
Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Negócios

terça-feira, 27 de maio de 2014

Gerenciando uma pequena empresa

Você foi contratado para o cargo de gerente em uma pequena empresa! Primeiro vem a alegria pela oportunidade. Conhece a estrutura do negócio, o mercado, tem boas idéias e está com energia de sobra para fazer a coisa funcionar e o proprietário ou seu superior imediato quer resultados. Tudo a favor? Nem sempre.
Preste bastante atenção no ambiente, na equipe e no comportamento dos proprietários da empresa na fase de levantamento de dados. Procure saber como a empresa nasceu, quais obstáculos ela enfrentou, como ela se saiu de cada desafio. Procure entender como pensa o proprietário, o que para ele é administrar, qual a função da empresa o que ele espera dela.
Você perceberá que muitas pequenas empresas tem potencial para crescer e perceberá também que boa parte dela tem problemas crônicos. Os principais são :
- Falta de separação entre o que é da empresa e o que é particular.
- Desorganização do departamento financeiro, uma vez que ele paga muitas vezes as contas da empresa e do proprietário.
- Falta de orçamento, planejamento e de provisão financeira para despesas ou investimentos.
- Descaso com o faturamento, com o atendimento ao cliente ou marketing. Que muitas vezes é confundido com patrocínio.
- Os maiores e melhores clientes são atendidos diretamente pelo proprietário ou somente ele tem acesso a informações vitais da empresa.
- Desconhecimento do fator “custo” para formação de preço.
-Desconhecimento do sistema tributário em geral.
- Remuneração baixa ou pouco atrativa para atrair talentos, não pagamento ou imposição de metas impossíveis de serem atingidas aos vendedores.
- Estoque: ou compram demais ou de menos.
- Você não matará apenas um leão por dia: vai precisar matar o primo do leão,o amigo, os parentes...
Tenha um diálogo aberto com seu chefe, faça projeções, faça dele seu maior aliado. Por mais energia que você tenha, procure abordar os problemas de forma gradativa. A comunicação tem que ser transparente e direta, impedindo interpretações. Ao perceber que o discurso é o mesmo, as “eminências pardas” vão perdendo seu papel. E sobretudo, tenha muita paciência e não sucumba a vontade de fazer você mesmo determinadas tarefas. Se mesmo depois disso tudo, de oferecer resultados concretos você continuar a ter os mesmos problemas, não ache que o problema é você. Esta é a realidade diária de pessoas em cargos de chefia em empresas familiares ou pequenas no Brasil inteiro! Além da falta de profissionalização dos proprietários da empresa, estes são os principais fatores que explicam o curto ciclo de sobrevivência de empresas no país e a famosa constatação, morreu o dono, acabou a empresa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário: